Blog dedicado ao mundo da corrida e do desenvolvimento pessoal

.favorito

. Estás Motivado?

. A Roda da excelência

. Psicologia das lesões, ou...

. Corredores, quem somos nó...

. Correr, para quê?

. Projecto Espaço Jovem - C...

. O Furacão da Estrada – hi...

. A viagem

. O “baldas” mais aplicado ...

. A excelência aqui tão per...

.arquivos

. Novembro 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Maio 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Agosto 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.Visitantes

.Entrevista CorreComAlma RCSantarém

.Berlin 2009

.You Ready?

.Carlos Lopes - voltaremos a ter outro?

.Why I Run

Segunda-feira, 4 de Agosto de 2008

A corrida da Vida

         Um destes dias, um amigo meu teve esta expressão curiosa, “A vida é como as corridas”. Falávamos sobre o casamento e sobre as relações entre as pessoas, nomeadamente entre homens e mulheres em que ele comparava o casamento com o atletismo e dizia-me: “se treinas sempre bem e de forma regular, melhoras as tuas capacidades e fazes boas provas, enquanto quando te baldas ao treino as coisas começam a não correr como queres e vens por aí abaixo. No casamento ou nos relacionamentos é a mesma coisa, se cuidamos da relação, alimentamos e damos atenção, as coisas correm bem, quando não o fazemos as coisas correm mal”.

            Na verdade, esta expressão dele é em tudo semelhante à que habitualmente se utiliza para comparar o namoro ou o casamento com um jardim, que tem que ser regado e cuidado permanentemente, desta forma, teremos sempre flores muito bonitas.
Voltando às corridas e ao treino para a sua evolução. As coisas são bastante simples. Qualquer que seja o nível e objectivo do atleta (competitivo, de lazer, fitnes, etc…), o fundamental é o gosto pela prática, ou o amor pela actividade. Quando gostamos do que fazemos, o nosso empenho é maior. Com mais ou menos conhecimento, com mais ou menos tecnologia de apoio, com melhores ou piores treinadores, com melhores ou piores condições de trabalho, com mais ou menos dificuldades mantemo-nos empenhados porque amamos o que fazemos. Quando os motivos são outros, quer seja o dinheiro, sucesso, prestigio, prémios, quer seja porque fomos pressionados para a prática por pais ou amigos e não amamos verdadeiramente o que fazemos, se aparecem as dificuldades geralmente queixamo-nos e desistimos. Por outro lado se tivermos verdadeiro amor à causa, as dificuldades e os problemas podem levar-nos um pouco abaixo, mas isso será apenas temporário e fará parte de todo o processo para nos tornar mais capazes, ou se quiserem podemos vê-los na perspectiva de oportunidades para crescermos e nos desenvolvermos.
No namoro ou no casamento, parece-me que o meu amigo tem razão, as coisas são bastante semelhantes, se há amor o empenho do casal é grande e a relação resulta. Apesar das dificuldades que sempre surgem, estas são testes ou oportunidades para verificar a capacidade que cada um tem em manter-se firme e empenhado na relação. Se há amor, a relação com essas dificuldades seguramente que fica mais sólida e estável, se não há, as desculpas podem ser todas e mais algumas e desiste-se.
Dir-me-ão, as coisas podem não ser assim tão simples. Na verdade creio que são, senão vejamos, um jovem inicia-se na modalidade de atletismo, com muito amor pela corrida e empenha-se de corpo e alma na sua prática, tendo como objectivo ser atleta olímpico. Ao longo dos anos de prática verifica que começa a ficar longe desse seu objectivo. A sua reacção poderá ser, “Deus não me deu capacidades para…, Não sou suficientemente bom”. Na verdade deu, simplesmente não era esse o seu desígnio, ou não era o seu timmimg. Contudo, se esse jovem não desistir e continuar a empenhar-se de corpo e alma noutra modalidade, ou noutra actividade, no teatro, nas artes, nos negócios, enfim…, seguramente vai verificar que é suficientemente bom, porque Deus está em cada um de nós caso acreditemos nisso. Por isso é importante que nos empenhemos de corpo e alma, com amor à causa. Se não for esse o nosso desígnio, em vez de nos queixarmos, deveremos ver o que aprender com essa prática, ou o que podemos corrigir para outras actividades. Se estamos a sofrer com essa desilusão é seguramente porque a nossa Alma nos está a avisar que há que corrigir algumas coisas e se quisermos aprender verdadeiramente ela nos mostrará o nosso desígnio.
Do mesmo modo, quando falamos dos relacionamentos, se há amor e se as pessoas se empenham de corpo e alma, seguramente que as coisas resultam. Se não resultam é porque há coisas para corrigir, ou não era o momento nem a pessoa. Mais uma vez digo, em vez de nos queixarmos será melhor verificar o que temos que aprender e corrigir. A nossa alma seguramente nos mostrará o caminho, basta estar atento e como diz na Kabbalah saber que as coisas, não são fáceis e acontecem quando nós precisamos e não quando nós queremos.
Por isso amigos, sugiro, (para vocês e para mim):
  • Corram com alma;
  • Vivam com alma;
  • Amem com alma.
publicado por ppmiguel às 19:37
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.CorreComAlma.com

Blog de apoio ao site www.correcomalma.com

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.fotos corrida

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds