Blog dedicado ao mundo da corrida e do desenvolvimento pessoal

.favorito

. Estás Motivado?

. A Roda da excelência

. Psicologia das lesões, ou...

. Corredores, quem somos nó...

. Correr, para quê?

. Projecto Espaço Jovem - C...

. O Furacão da Estrada – hi...

. A viagem

. O “baldas” mais aplicado ...

. A excelência aqui tão per...

.arquivos

. Novembro 2016

. Janeiro 2016

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Maio 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Agosto 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.Visitantes

.Entrevista CorreComAlma RCSantarém

.Berlin 2009

.You Ready?

.Carlos Lopes - voltaremos a ter outro?

.Why I Run

Segunda-feira, 1 de Dezembro de 2008

Bravos os que tentam

 

“But it’s not all about the medal. In fact, athletes who seem to have the most success think the least about the outcome. The focus is on the process and on being the best you can be on the day it matters most.”
Therese Brisson (Olympic champion)
 
Quando nos predispomos para realizar o que quer que seja, não raras vezes questionamos o que fazemos, especialmente se a coisa não corre bem. Parece-me que isso é válido para todos os aspectos da nossa vida, seja no campo profissional, ou escolar, seja numa qualquer prática desportiva ou num projecto pessoal de investimento, seja na área das relações humanas, especialmente quando falamos do par homem-mulher, namoro ou casamento. Quando a coisa corre bem e concretizamos o objectivo a que nos propusemos ou alcançamos a meta desejada, tudo o que são boas sensações vem ao nosso encontro – contentes, alegres, bem connosco próprios, enfim um nível de felicidade que todos gostam de sentir.
Não obstante o que refiro no parágrafo acima, estou plenamente de acordo com Therese Brisson quando diz que não é apenas a medalha, a meta, mas sim todo o processo. Na verdade, quando desejamos algo, se nos for oferecido, não damos o verdadeiro valor. Contudo, se for conquistado e se as dificuldades que passamos para lograr essa conquista forem superadas, aí sim apreciamos verdadeiramente. Talvez por essa razão, atletas que em jovens demonstraram imenso potencial conseguindo resultados brilhantes, não dão o devido valor ao processo, ao trabalho que é necessário para continuar a evoluir rumo à máxima excelência – desmotivam-se perdendo-se no caminho. Outros há, que muitas vezes parecem estar mais longe, mas com empenho, com preserverança, tentam, e tentam…, e tentam! São os bravos.
Parece-me que a felicidade não estará no topo da montanha, mas sim no caminho que se faz para lá chegar. Em cada etapa, cada passo, cada pequeno obstáculo superado degrau a degrau. Umas vezes mais rápido, outras mais lento, subindo um a um, subindo dois descendo um, enfim…, mas conscientes que como alguém disse, “o caminho faz-se caminhando”.  
A atleta acima referida, que fazia parte duma equipa que tinha sido campeã mundial e que obviamente tinham expectativa do título olímpico (não conseguido por terem perdido a final), referiu que apesar disso, de todo o esforço, de todas as dificuldades, de todas as horas e dias passados em treinos e estágios longe das suas famílias e, da desilusão, se soubesse à priori que isso aconteceria, submeterse-ia novamente a todos os treinos. Pois bem, foi isso que ela e a sua equipa fizeram por mais quatro anos, apesar de algumas já terem idade avançada e terem planeado terminar a carreira investiram mais esse tempo e dedicação, e adivinhem…, a história teve um final feliz, conseguiram-no na edição seguinte, o ouro olímpico.
Claro que nem sempre conseguimos o que definimos para nós, mas se tentarmos, podemos sempre dizer que tentamos. Por todas as razões e mais algumas, para mim, bravos são os que tentam, só esses chegam mais longe. Também por isso desde muito cedo a minha “favorite quote” é o slogan Nike modificado, “You can do it” ou “I can do it”, a que mais recentemente a Adidas juntou, “Impossible is nothing”. Não há muito tempo juntei-lhe outra, do Brian Weiss, “Só o amor é real”, porque só amando verdadeiramente o desafio, a causa, o emprego, a pessoa, ou o que quer que seja, nós nos esforçaremos para ir para além de nós próprios, ou para sermos muito bons no que estamos a fazer.
Por isso amigos, para os que me lêem e para mim, lembrem-se,
Tentem,
Sejam bravos e,
Corram com alma,
Vivam com alma,
Amem com alma.
publicado por ppmiguel às 00:35
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
4 comentários:
De Silvia a 3 de Dezembro de 2008 às 12:06
Plenamente de acordo... Acho que muito pouco se poderia aplicar como slogan, se escolhesse um, para a minha vida neste último ano como o da Adidas "IMPOSSIBLE IS NOTHING"... ou pelo menos encarar tudo com essa "bravura"!
Não é deixar d considerar as nossas responsabilidades ou os q nos rodeiam, os q nos dizem algo, pouco, muito... Mas é ter a "bravura" d assumir quem somos e o q queremos, e lutar por isso, fazer "o caminho" q possamos olhar para trás e ver q apesar do resultado, seja ele bom ou menos bom, valeu a pena... =)

Não o sabia tão "filósofo", mas é bom conhecer outras facetas das pessoas que conhecemos em contextos diferentes das amizades... acho sempre meio estranho à 1ª vista, como uma foto que parece que não combina com a moldura, mas felizmente as "molduras" q colocamos inevitavelmente, mais fixas ou menos fixas, podemos sempre mudá-las... :)

beijinho d Loughborough
De ppmiguel a 4 de Dezembro de 2008 às 01:36
Olá Silvia,
Obrigado pela visita. Gostei muito do teu comment. Fantástica, essa da moldura. Eu tb fiz a tua, devo dizer que a ajustei desde set/07. Quando vieste para o Lab coloquei mais uns retoques e agora...
Bem agora estás em Loughborough e confirmas que de vez em quando cruzamo-nos com pessoas diferentes para melhor e especiais, tu és uma delas. Apesar das formalidades do nosso cantinho português (que eu não gosto nada - os espanhóis estão muito à frente, lá tratamo-nos todos por tu e as relações acabam por ter uma maior proximidade), com uns poucos vamos conseguindo umas molduras e fotos com muita cor.
Resta-me dizer que se precisares de alguma coisa da minha parte... I´m available.
Ah, e por favor trata-me por tu.., ou tens que escrever em inglês??!! Também é por isso que prefiro o ambiente do treino nos clubes ao da escola, ali até os putos de 13 anos me tratam por tu, lol!!
Beijinhos
De Júlia a 4 de Dezembro de 2008 às 10:56
Olá
Fixei a tua frase "a felicidade não estará no topo da montanha, mas sim no caminho que se faz para lá chegar". Para além de bom treinador/professor, és um bom filósofo :) Há por aqui pensamentos que vão muito de encontro com o que preciso ouvir.

Beijoca.
De ppmiguel a 5 de Dezembro de 2008 às 00:15
Olá amiga de blogs,
Ainda bem que o dizes, é bom saber disso. A ideia é partilhar os momentos de reflexão que sem dúvida ajudam quem escreve, e claro que é bom saber que se é reconhecido e que há também quem se identifique conosco.
Também por isso, o teu blog é importante para mim. Creio que já tinhamos trocado ideias sobre o assunto, mas se há viagem maior que podemos efectuar, será dentro de nós mesmos, por isso o procuro-me..., está excelente. Obrigado pela visita e volta sempre.
Beijinhos

Comentar post

.CorreComAlma.com

Blog de apoio ao site www.correcomalma.com

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.fotos corrida

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds